quarta-feira, 21 de julho de 2010

mais sonhos;

Será que foram eles que se perderam no tempo? Ou será que eu que não estou me esforçando para ver entre as frestas da memória? Desisto. Não vejo mais razão, não alimento o passado, pois o que me interessa é o que está por ser escrito ali, duas páginas à frente.

Talvez tenha sido eu quem levantou e caminhou sozinha primeiro. Não quis olhar para trás, eu sei.. Nunca disse que era corajosa, as pessoas simplesmente acham isso no meu olhar. Engraçado reabrir os baús, tirar o pó do quadro e enxergar de novo o que eu fui, o que escolhi ser. Ora, e não é que quando me olho no espelho hoje, ainda não me reconheço? Acho que é questão de tempo, de novo esse tal de tempo. Através do espelho me vejo, mudada, mas ainda sou rascunho.

Rabisco coisa ou outra num caderno vermelhocapadura que poderia chamar de diário. Anseio reler os outros tantos cadernos por onde passaram minhas ideias. Tenho a impressão de que alguns sonhos caem da mochila no meio do caminho.

Minha mochila está para desfazer a costura das alças, mas continuo guardando sonhos grandes nela. Para ser sincera, sonhos cada vez maiores.

3 comentários:

Petty disse...

um sorriso brotou, só de lembrar que eu sempre falo pra você usar a bolsa com a outa alça.. só pra poder carregar mais coisas, por mais tempo

simplesmente lindo!

Sunahara disse...

e como é bom sonhar =)

Gabriela Castro disse...

Continuar sonhando é essencial e vital.