terça-feira, 1 de abril de 2008

O que eu quero? Existem mil coisas que a gente passa a vida inteira desejando, não é? Coisas absurdas, idiotas, grandes, bizarras.
Pois é, eu queria uma ferrari, yakult dois litros, queria morar uma casa flutuante, queria voar, queria que no maço de cigarro viessem quarenta cigarros e que o preço fosse menor, queria que cigarro não desse cancêr, queria um pijama verde de bolinhas vermelhas, queria um computador de última geração com o triplo da memória do meu, queria ir num show dos Beatles, queria ter olhos claros, queria ter um labrador, queria conhecer mais bandas fodas, queria ter uma banda foda, queria morar na Europa, queria ter nascido em Londres, queria que minha família fosse mais unida, queria ter um casal de filhos, queria ser menos ciumenta, queria poder ter tudo isso e mais ainda.
Mas as vezes as coisas são tão banais, tão pequenas perto de tudo. Pare e pense que existem pessoas que ao invés de quererem uma maleta com um bilhão de dólares para comprar todas essas coisas e mais coisas fúteis e idiotas, acordam desejando apenas um prato de comida, tem gente que trabalha o dia todo pra ganhar só R$ 300, 00 reais, enquanto eu estou aqui recusando empregos que me dão mais que isso. Tem gente sofrendo porque perdeu tudo em uma enchente, enquanto eu reclamo que queria comprar um aparelho de som novo, tem gente que dorme sem cobertor, enquanto eu durmo com dois e um edredom. E sabe o que mais revolta? É que a gente reclama a vida inteirinha de barriga cheia, de idiota.. E mesmo sabendo de tudo isso, nunca paramos de reclamar.
Me sinto vazia e suja quando paro pra pensar nisso, pensar que sou apenas mais uma pessoa idiota e hipócrita que reclama, reclama e não faz nada. As vezes pensar não é a solução, dizer e argumentar a favor das pessoas carentes é fácil, difícil é estar na pele delas, difícil é fazer algo por elas. Você já parou pra pensar nas pessoas que acordam todos os domingos de manhã para entregar almoço quentinho as pessoas menos favorecidas? Eu já, pensei e minha cabeça se voltou pra outra coisa. Pois é, agora é hora de mudar. Não quero mais falar, não quero mais pensar, quero agir, fazer diferença. Sim, você pode pensar que isso é besteira, mas começando pelas coisas mais simples você alcança o topo.
Doe seus livros de criança que estão empoeirados na estante, doe seus agasalhos, doe comida, se doe um pouco, se doe por inteira. Abrace o mundo ao invés de sentar na cadeira do boteco e reclamar dele. Putaquepariu, que vergonha.
Mudar é bom, mudar é preciso.. E antes de dizer que isso é besteira, pense mais uma vez. Besteira é ficar desejando um bando de coisas e não correr atrás. Se você quer se dar bem, batalhe, lute pra isso. Mas nunca esqueça que não se deve passar por cima de ninguém, nunca.. E não, não ache que pra isso se deva passar por cima de você, claro que não. Passe em frente, dê um passo, o primeiro que seja. Mas faça algo, por você, por eles, por nós, por todos.

Eu acordei indignada.
E agora eu digo: queria que não existisse violência, queria que o sistema funcionasse, queria justiça com o povo, queria poder dar casa para todas as pessoas que moram nas ruas, queria ensinar as pessoas que não se deve matar, queria que não existissse abuso sexual, queria que não existisse briga entre religiões, queria que não existisse tamanha diferença entre as pessoas, queria que o mundo aceitasse os gays como pessoas totalmente normais, queria mudar. Eu quero.

Um comentário:

factotum disse...

essas querências são tão mais inalcansáveis, né? pena...