domingo, 10 de janeiro de 2010

as despedidas;

Depois de um certo tempo a gente aprende, - e minha mãe sempre me disse isso - depois de um certo tempo já não dói mais.

Se pudéssemos calcular quantas pessoas especiais passariam por nossas vidas, será que perderia a graça? Será que daria para, assim, conter as lágrimas nas despedidas? Eu acho que não. Neste caso, o previsível não existe, é invenção, é problema imposto, é besteira. Se tudo fosse realmente escrito e premeditado como alguém já disse um dia, por que ainda sentiríamos frio na barriga e aperto no coração? É balela, é acaso, é a vida.

Quando criança apostava que todos aqueles que passavam por mim iam permanecer por perto até o fim dos tempos. Hoje, sinceramente, se conseguisse lembrar o nome de dois colegas de classe, já seria muito. Daí perguntei, aos 12 anos, para minha prima: "mas por que as pessoas vão embora?" e ela não soube responder. Hoje telefonei para ela e disse: "descobri!".

É assim. E agora entendo que sim, a gente aprende a não deixar doer mais, ou não tanto.

5 comentários:

Sunahara disse...

"Saudades querem dizer que o passado valeu a pena"

Não é?

Dy disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Dy disse...

aaah, gostei de vc ter lido o meu blog, sempre acompanho o teu, mas nunca deixo comentários rs. não me pergunte o pq, mas ainda acho que seja por ficar meio sem jeito..sei la. mas de fato, escreves bem, parabéns.


agora sobre este post: o tempo pode ser uma despedida, com uma dor um tanto quanto suave, não? pois ainda é algo que se espera.
já eu, acredito que a morte é uma das piores formas, maneiras e jeito de despedias, nela quase não se encontra a hora certa de se despedir. penso que o mais certo, é sempre aproveitar o tempo que se tem, com as pessoas que se tem na vida. porque despedidas sempre têm, de várias formas.

letícia, disse...

concordo, eu já me acostumei com a despedida, por isso não sofro tanto com isso, eu sei que irei vê-los novamente - acredito que não tenha sofrido tanto pois nunca perdi alguém de verdade, apenas ficam longe por um tempo.

ah, adorei o blog :)

Pedro Freire disse...

Aprender a não deixar doer mais é parte muito importante do crescimento. Sábias palavras e lindo blog. Parabéns! Um beijo