sexta-feira, 7 de agosto de 2009

depois de amanhã;

Depois de nove voltas pela casa, depois de dois cigarros começados e não-terminados no cinzeiro, depois de duas mil canecas de café, depois de todo esse silêncio que permaneceu na casa durante o dia.. E aí?

Pensamentos otimistas passam por sua cabeça. Dias ensolarados, amigos, união e muito carinho. Talvez uma carta de alguém que está distante, talvez uma rosa vermelha de algum amante. Quem sabe um bom livro encontrado naquela prateleira perdida da livraria, ou até mesmo uma saborosa tortinha de morango. O que virá?

A escuridão, talvez. Chuva. Solidão. Será que o telefone irá tocar nos próximos dias? É claro que ela não vai retornar a ligação. Talvez não encontre mais inspiração para escrever, ou nem tenha mais vontade de sair para passear com o cachorro. Preguiça e pijama por longos dias no sofá, mudando de canal automaticamente.

O amanhã será uma eterna surpresa, não existem previsões.
E depois de amanhã?

2 comentários:

Enzo Sunahara disse...

Bem que eu queria saber.

Eu to nessa angústia, sabe?

Os amanhãs nunca são diferentes...

Parece que o texto foi pra mim.


Beijos

Gabsi. disse...

ô Gá, eu discordo totalmente do que vc falou em relação à sua escrita, esse texto me tocou com um sabor diferente, e eu acho mesmo que você e eles, os textos, estão evoluindo pra um outro patamar, um diferente, sabe? E vc está nessa transição.

For the record, I really, really liked it.