quarta-feira, 8 de abril de 2009

daqui pro céu.

longe daqui, longe de tudo. e nessa longitude, nessa distância sem fim é que ele percebe as entrelinhas. é assim, e talvez, só assim que as coisas devam ser, por enquanto.

ele senta ali, e observa cada passo, cada onda, cada brisa diferente. é como se o vento levasse tudo que ele mais almejava, chegou e bateu.. ventou e se foi. e quem dirá que é tarde? as respostas ficam no ar e ha dúvidas por todo lado. ele sabe que não precisa mais disso, ele bate o pé e grita com todas as forças, mas não adianta. o que é de alma, fica na alma. dói como queimadura, arde, faz renascer e morrer mais um pouquinho a cada dia. ele sabe, ele sente, ele pensa.

mas então ele percebe. a vida nada mais é do que isso, pensamento atrás de outro, lágrima intrusa, coração pulsante, emoção e novidade a cada manhã. você pode não olhar para o céu, mas ele estará lá todos os dias te vendo, te observando, cuidando de longe, sentindo sua falta. o céu é grande e cheio de mistérios, mistérios que sua cabeça não consegue desvendar. mas desvendar é acabar com a graça, e do óbvio ele não gosta. ou talvez goste, mas prefere não deixar cair na rotina. rotina cansa, mas muitas outras coisas também o deixam cansado, vai entender.

a rua nunca esteve tão cheia, tão movimentada, tão insuportável. o céu estava bonito, azul, radiante, mas como pode? os dias passam rápido e as tristezas parecem passar mais devagar, os ponteiros viram no relógio... tão freneticamente que ele fica tonto. as pessoas continuam. muitas opções, muitas escolhas, se encontrar para se perder de novo.


e ele escolheu um caminho, pegou a direita e entrou no terceiro quarteirão à esquerda. e é lá. o coração está lá. o céu. agora é preciso recomeçar.

5 comentários:

Paulinha disse...

tudo escuro...

Enzo Sunahara disse...

poetisa. sim, poetisa. e não me venha com modéstia. o céu, quer mistério maior? e o céu é lindo, radiante. pode guardar tempestades, mas, como você mesma diz... está distante e olhando. e o céu sente, mesmo que seja falta. o céu cuida. e este texto não só nos leva ao céu, como faz eu me sentir como ele. talvez, grande, talvez vazio, talvez radiante ou cinzendo. "vai entender". poesia não é para ser entendida. a gente sente isso no "terceiro quarteirão à esquerda". e você fez isso muito bem, com este texto. repito: poetisa!

beijos

. Geller . disse...

Que orgulho fi,garota incrivel e está no caminho para se tornar uma grande mulher...

amo

Gabsi. disse...

Bonito, Gá, bonito!

Pri disse...

eu gosto desse trecho: "a vida nada mais é do que isso, pensamento atrás de outro, lágrima intrusa, coração pulsante, emoção e novidade a cada manhã".